Doença injusta

Hoje fui ver o meu pai, e encontrei-o tão debilitado. É tão triste ver o estado em que ele está. Para ele dizer, uma palavra que seja, é um esforço enorme. Para chegar com a mão á cara é outro sacrifico. O seu olhar é ausente e distante. A cabecinha dele deve de estar tão baralhada. Mas no meio de tudo disse perfeitamente o nome do neto.

Custa-me ainda aceitar que ele não vai melhorar e que a tendência é piorar. Toda a gente me diz que tenho de estar preparada, que a má noticia pode chegar...mas eu não me conformo!

publicado por alzheimerdepapie às 23:18